segunda-feira, 20 de abril de 2009

Brasil sem lei





Acabo de chegar da Europa,volto e me encontro numa terra sem lei.Onde está o nosso ministro da Justiça?Os brasileiros não índios apanhando para se retirarem das suas fazendas?Lula e Dilma autorizando e ajudando assassinos do MST,que chegou a receber mais de R$ 1,2 bilhões,sendo que legalmente e juridicamente não existem. Porque não rasgam logo a constituição se não respeitam nem o direito de propriedade?No meu ver de leiga,não entendo nada de lei,mas não será caso de intervenção federal?Estou me sentindo como o Dante, ao entrar nos portões do Inferno:-“Abandone toda a esperança aquele que aqui entrar”.Não vejo outra forma de governo menos pior que a democracia.Essa Ana Júlia Carepa não tem mais domínio sobre seu estado.Se a Europa não estivesse tão cara,juro que iria para lá...amanhã mesmo.Pode ser até comodismo meu,mas esse Brasil me cansa.






Mais sobre o MST-Alexandre Oltramari por e-mail:

Em 25 anos de existência, o Movimento dos Sem-Terra (MST) raras vezes teve seus métodos ilegais reprimidos pela força das leis. A ofensiva mais contundente vinha sendo realizada no Rio Grande do Sul, berço do movimento, pelo promotor de Justiça Gilberto Thums. Filho de pequenos agricultores e ex-delegado de polícia, Thums obteve oito vitórias contra o MST no último ano.
Conseguiu, com ações na Justiça, impedir marchas para invadir áreas predeterminadas; fichou criminalmente invasores; proibiu integrantes do grupo de se aproximar de glebas produtivas. Em sua batalha mais recente, convenceu o governo gaúcho a colocar na clandestinidade as escolas itinerantes do MST – versão sem-terra das escolas muçulmanas, conhecidas como madraçais, que fabricam terroristas dispostos a dar a vida em nome do Islã.
O fim da doutrinação revolucionária com dinheiro público produziu uma avalanche de protestos contra o promotor. Thums foi acusado de nazismo e demonizado por supostamente impedir o acesso de crianças à educação. Acuado, anunciou que está deixando o caso. "Cansei. Essa luta não pode ser apenas minha. Se ela não for de todos, não é de ninguém", diz Thums.Os ataques contra o promotor surgiram de todas as partes e seguiram os mais diversos métodos, da intimidação à ameaça. Em Brasília, o Ministério do Desenvolvimento Agrário, órgão do governo aparelhado pelo MST, enviou uma representação ao Conselho Nacional do Ministério Público acusando a instituição de afrontar direitos fundamentais das crianças ao tentar extinguir as escolas do MST. Há duas semanas, ao participar de uma audiência pública, o promotor foi recebido por 200 crianças cantando o hino do movimento e com cópia do Estatuto da Criança e do Adolescente nas mãos. A claque o deixou constrangido.
A Comissão Pastoral da Terra (CPT), braço da Igreja Católica que dá sustentação ao MST, atacou em outra frente. Pela internet, lançou uma campanha mundial que soterrou o correio eletrônico do promotor. Thums, descendente de austríacos, foi comparado a Adolf Hitler, para citar apenas as mensagens menos hostis. A ofensiva também se deu em outras esferas. Nas últimas semanas, segundo o promotor, cinco mensagens de voz com gravações de suas conversas telefônicas lhe foram enviadas, num indício claro de que ele está sendo monitorado sabe-se lá por quem. Além disso, ele diz ter sido vítima de um atentado, quando um carro tentou atropelá-lo na rua.Não existem evidências materiais de que o MST esteja no leme do atentado ou da interceptação telefônica, mas, se a suspeita do promotor estiver correta, isso não seria nenhuma novidade. Documentos internos do movimento apreendidos nos pampas revelam que ações criminosas há muito integram a cartilha dos sem-terra. Seus manuais ensinam a saquear fazendas, destruir provas que os incriminem, fabricar bombas e fraudar os cadastros do governo. As escolas itinerantes, colocadas na clandestinidade pela ação do promotor, são o laboratório no qual o movimento configura suas crianças para a guerra. Ninguém sabe seu número exato.
No Rio Grande do Sul, onde desde fevereiro passado elas deixaram de integrar a rede pública, eram doze, com cerca de 400 alunos entre 7 e 14 anos. Há cinco anos, VEJA visitou duas delas, ambas no Rio Grande do Sul. A reportagem constatou que os alunos celebram a revolução chinesa, a morte de Che Guevara e o nascimento de Karl Marx. O Sete de Setembro, Dia da Independência, para eles é o "Dia dos Excluídos". Nas aulas de teatro, carregando bandeiras do MST, crianças entoam gritos de guerra e conclamam para a revolução.A defesa de escolas públicas para filhos de sem-terra parece paradoxal quando se leva em conta a razão de ser, pelo menos teórica, do MST. O movimento que diz defender a inclusão econômica e social dos desvalidos exige que a sociedade continue financiando escolas que, em vez de incluir, acabam por excluir e segregar seus filhos. "Eles são diferentes mesmo. Muitos não têm sapatos nem como chegar a uma escola tradicional. Esse promotor é um grande capitalista, um baita tradicionalista. Ele persegue o MST", diz o padre Rudimar Dal’Asta, coordenador da CPT no Rio Grande do Sul.
O padre alega que o caráter nômade dos sem-terra impede suas crianças de frequentar uma escola pública comum. Nada disso, porém, justifica a doutrinação guerrilheira promovida nos centros de treinamento itinerantes do MST, muito menos o fato de ela ser mantida com o dinheiro dos contribuintes.
Com a deserção de Gilberto Thums, outros promotores deverão ser escalados para continuar atuando nos tribunais contra ilegalidades e abusos promovidos pelo movimento. O MST também promete continuar doutrinando suas crianças com ou sem os recursos do governo – embora reconheça que é bem mais fácil fazer a revolução com uma ajudazinha dos cofres oficiais. Um dos empecilhos, o promotor, o movimento já conseguiu abater.



2 comentários:

"Antonio" disse...

O pão de cada dia
O melhor caminho é aquele por onde teu coração
é presente, por onde teus pés caminham.
O teu caminho torna-se sagrado pelo simples fato
de estares inserido nele.
Nele estão todos os teus humores, tuas vontades,
teus sonhos, tuas alegrias, tuas dores.
Questões já assumidas, outras ainda por trabalhar
e outras tantas já esquecidas em algum lugar do teu ser...
Nele tens a capacidade de girar a roda quando desejares,
escolhendo outros rumos, outras coisas.
Já pensaste quantos espaços dentro de ti
estão à espera dos teus pincéis,
das tuas tintas, da tua criação?
Já sentiste que tens todos os meios para te lançares
naquilo que o teu coração tanto anseia?
Seja um perdão, um pouco de silêncio,
um pouco mais de compreensão, paciência, discernimento, alegria...
Muitas vezes, fechas os olhos para esta realidade,
entregando-te nas mãos de outros para que te cuidem
e te mostrem o caminho pelo qual deves seguir.
Culpas a vida por sentir-te excluído, esquecido,
por não seres agraciado...
Quem pode, realmente. fazer algo por ti,
se tudo depende da tua vontade, do teu querer?
Não há remédio...
Tens que arregaçar as mangas,
sacudir a poeira dos teus pés e prosseguir.
Prosseguir nem que seja no escuro,
sem saber ao certo para onde estás indo...
O importante é não desistires, não estagnares.
Mesmo nos momentos onde te sentes perdido,
completamente sem direção, há algo que trabalha em ti
e por ti de uma forma constante.
Lá, por trás das inúmeras sombras, medos
e decepções, algo ilumina...
Algo aprende, algo organiza...
E então, num belo dia, acordas sentindo que
a tempestade passou, que uma leveza encerra
o teu coração num doce balanço...
É... A vida prossegue,
mesmo quando tendes a acreditar
que as tuas forças ficaram lá trás.
Abençoa-te, revigora teu caminho,
pois ele te pertence
e está, definitivamente, sob os teus cuidados.
Não há “outro” para cuidar da tua jornada.
Somente tu podes percorrê-la e vivenciá-la.
Este é o pão de cada dia.

QUE VC TENHA UMA LINDA E MARAVILHOSA SEMANA. FIQUE COM DEUS.

De Antonio M Matioli São José dos Campos São Paulo Brasil


http://oblogdasnoticias.blogspot.com/


http://curiosidadesdoplantaterra.blogs.sapo.pt/

flávia disse...

Caro Antonio,
Grata por tuas palavras,hoje leio no Estadão,que a CNA( Confederação Nacional da Agricultura )acusa Ana Júlia de omissão e afirma que a governadora do Pará é conivente com ação de sem-terra contra fazendeiros de adotar uma política de "deliberada omissão". Agora que o Pará tá descontrolado,isso está.
Abraço